Categorias
Todas

Todos os Pássaros

Tomara eu poder ter a sensação de descobrir o mundo p’la primeira vez todos os dias.

Tomara eu que os meus olhos se enchessem de verde azul a cada respiração.

Tomara eu conhecer todas as cores só por ver as flores que vão passando.

Tomara eu saber a melodia só de ouvir os pássaros cantar.

Tomara eu que tudo tivesse o sabor de gotas a cair na água.

Tomara eu que tudo se sentisse como o carinho do vento na pele.

Tomara eu que a temperatura do coração se medisse p’los raios do sol.

Tomara eu respirar o voar das montanhas.

Tomara eu que cada passo fosse leve como o flutuar.

Tomara eu a cada esquina

conseguir respirar.

Categorias
Conto

Vozes VS Eu

Quero contar um conto que seja muito interessante, mas tudo o que me aparecem são personagens miseráveis que como numa roda louca aparecem. Cada uma com o seu problema e todas me gritam aos ouvidos:

  • Quero que me ouças e me fales.
  • Dança comigo como se não houvesse amanhã.
  • Mergulha no mesmo mar que eu, como sereia, banho-me aqui, todos os dias. 

E assim continuam a falar coisas sem fim, como se eu conseguisse reportar todas as suas vozes.  E como não consigo, perco-me em algumas, vendo imagens sem fim de suas vidas. Ou pelo menos as vidas que consigo ver em apenas uma frase. 

Alguém que me pede para ouvir, é alguém que não tem ninguém para falar e por isso empresto o meu ouvido, empresto também a minha alma para que possa sentir-se em casa. E assim, prossigo a ouvir as palavras de alguém que me quer despejar coisas como: tenho caspa e não sei como resolver. Às vezes é nítido, que tudo o que precisa é de falar. Outras, é possível confundir com necessidades que soa a necessidades reais. “Tenho fome e não tenho como comer.”. É nesta altura que me levanto e pego nas chaves de casa para correr a um supermercado e colecionar no carrinho de compras tudo o que esta mulher, esta voz feminina, sopra ao meu ouvido. O pior é que quando chego à porta não sei onde me dirigir, porque não sei se de facto esta mulher existe. Sei apenas que me grita ao ouvido. Acabo por trazer as compras para casa, etiqueto como: mulher desesperada. 

Por outro lado ouço tantas vezes aquela que me pede para dançar com ela, e como não sei do que gosta ela, vejo vezes sem conta, a minha lista de música e escolho para ela umas 7 músicas. Músicas que oiço em loop o dia todo, mas que escolho para que cada um dos dias da semana se possa cantar uma diferente. De facto, se esta mulher tiver o mesmo problema que eu, irá ouvir tudo, de uma vez só. Sou viciada em consumos musicais. Continuo, no entanto, a ouvi-la a pedir para que eu dance com ela, e por isso faço-lhe esse favor e danço.

Em jeitos envergonhados, ao ver o mar na minha frente vou despindo a roupa até nada sobrar, faço-o sem perceber se está alguém a ver. Contudo, no final, acabo por olhar ao meu redor para confirmar se estou a ser vigiada. Nada. Ninguém. Então falo, como se alguém me estive a ouvir, danço até entrar no mar e mergulho desejando ser uma sereia. 

Sou alguém que vive entre o mundo das vozes e o mundo da consciência, onde tudo é tão mau que chego a implorar para que essas vozes voltem, estranho que sejam sempre vozes de mulheres e que por incrível que pareça eu quase diria que sou eu. Porém, sou alguém tão consciente e normal que nunca me permitiria ser essas mulheres que querem ser ouvidas, ou aquelas que dançam como se não houvesse amanhã, muito menos aquelas que mergulham no mar para nadar como sereias. Afinal: sereias, dizem que não existem. 

Categorias
Poema

Lugar

Não estás, nunca, no lugar que sou

Vejo-te nos meus passados

Aqueles que vou desfolhando

Não és senão uma mancha de ontens esfarrapados

E manhãs sem luz na janela

Não estás nunca no lugar que sou,

Não agora, talvez nunca.

Categorias
Crónica Todas

Traição Mata

Vamos falar de traição. Vamos falar de traição porque é do que me apetece falar. Sendo que a verdade é que basta pronunciar a palavra traição que já oiço as vossas cabeças a murmurar: lençóis, esquinas, encontros, segredos, sensualidade, excitação e por aí fora até formular algumas cenas de sexo tórrido e insuportável de negar ao ponto de se ver repetido vezes sem conta, caso contrário, quase nem poderia contar como “traição”. Uma boa história de traição deste tipo acrescenta ainda amor à mistura, ou pelo menos a palavra, dúvidas, incertezas, muita loucura e respirações completamente ofegantes que deixam o cérebro bloqueado por excesso de oxigénio. 

Eu diria que traição está completamente relacionado com esta mesma falta de ar, mais concretamente oxigénio. Num mundo onde o oxigénio é o suporte de vida para o Ser Humano é, também por isso, que a falta dele nos leva à morte. A morte nem sempre é essa literal, afinal de contas, é preciso estar vivo para morrer, e o problema é que estar vivo é completamente diferente do que poderá ser para outra pessoa e isso leva-me à traição. 

Viver é para mim um êxtase tal que me inibe de consumir qualquer tipo de droga ou vício, porque a alegria é o tal êxtase contínuo e inebriante onde a morte não tem espaço. Com morte, posso mesmo dizer: vícios de qualquer tipo. Posso considerar que no momento em que alguém me vê a consumir chocolate todos os dias, vinho todos os dias, doces todos os dias, ou qualquer tipo de açúcar ou álcool em forma continuada e rotineira, nesse momento, posso dizer-vos estou a morrer. Porém, calma, se ainda circular ar em mim, é possível salvar-me desse estado catatónico que me leva à rotura de mim mesma. Posso assegurar-vos, contudo, que já não há oxigénio suficiente no meu cérebro e que estou a ser bloqueada. Como está isto tudo relacionado com traição? Fácil, o uso indevido da informação pessoal que partilho com alguém (segredos), a falta de lealdade na construção de um trabalho alterando o lado em que se está constantemente ou mesmo minar as minhas ações naquilo que chamo de dias (podendo ir para além desde tempo circunscrito) é espetar em mim uma faca virtual – como os abraços que damos atualmente – uma faca que me faz esvair e consumir vícios. Mesmo que os meus não sejam considerados pesados são demasiado pesados para mim. Ao ponto de afetar a permanência de oxigénio no sangue e consequentemente no cérebro. Vamos então falar de traição: a traição mata. No meu caso, ainda posso suportar a tal do sexo tórrido, sendo que a outra, aquela que retira a alegria do meu corpo e me vicia, com excesso de dióxido de carbono e ausência de oxigénio, essa? Mata mesmo.

Categorias
Poema Todas

Nós em Nós

Não entendo

apenas sinto

Procurei-te onde não me achava

Achei-te 

como num plágio de mim 

Achei-me

como num plágio de ti.

Categorias
Todas

Princípio da Parcimónia

Conquistei a parcimónia, essa palavra que podia ser um princípio.

Onde não se complica o que é simples.

Onde se encontra magia no que de parco,

afinal, nada tem.