Categorias
Ensaio

És tu, não sou eu

Deixaste arder. Quiseste ver tudo a queimar. E quem sabe regozijar-te com as cinzas que provocaste. Sim, foste tu que fizeste isso, não eu. 

Deixo aqui esclarecido desde o início que és tu. Sim tu e só tu. Em nada esta situação está relacionada comigo. 

Tenho por hábito acarretar todas as responsabilidades sobre todas as situações e assim fiz por anos. Anos e anos a fio. Soube-te bem? Vejo que sim. Vejo que o melhor do mundo foi ver-me a arcar com todas as pontas, todos os pesos, e isto desequilibrou a balança. 

Tenho de admitir que possivelmente o problema de tudo isto foi precisamente a balança. Eu, mais do que ninguém tenho problemas com a balança, fujo dela como quem corre do diabo, se o diabo fosse pessoa e lhe pudéssemos atribuir forma. Fujo porque ela me dita destinos, me aflora medos, grita ao meu ouvido o quanto sou incapaz de me perceber como um ser belo. Belo, onde a balança não dita a beleza. E aqui está: foi o meu medo de balanças que me atirou para o momento em que estou. Este desequilíbrio onde percebo finalmente as coisas como elas são: não fui eu, foste tu. 

Pena que de tanto penar, de tanto te salvar eu tenha impedido-me de perceber que este desequilíbrio da balança facilmente chegaria a outros campos e que depois de penar e te salvar eu penaria um pouco mais por me atirares ao fogo para arder sozinha. Repito sozinha. Porque me incentivaste a atear a fogueira e foste tu quem me disse que lá estarias tu para apagar fogos. Foi então que eu peguei na acendalha e uma chama transformou-se num incêndio que tu decidiste ver de longe. Deixaste arder. Quiseste ver tudo a queimar. E quem sabe regozijar-te com as cinzas que provocaste. Sim, foste tu que fizeste isso, não eu. 

Bonito, não? Tão bonito ver o que sobra de nós. De mim. A ti nem mesmo consigo ver. Afinal tu ficaste de longe a ver, quem sabe a deitar gasolina para o fogo que ardeu como se não houvesse amanhã. 

Agora?! Agora, grito: és tu, não sou eu. Finalmente percebi que és tu e não eu, pena, muita pena que tenha percebido isso tão tarde que infelizmente passei a ser eu e não tu. Fui que deixei seres tu e não eu. 

Para finalizar esclarece, por teres sido tu e não eu, fui eu e não tu. Mas só hoje que gritar bem alto para que me possas ouvir a esta distância: 

És tu, não sou eu. 

Por Rita Burmester

é o nome artístico de Rita. Sendo que o nome registado é Rita, muitos nomes entretanto, Moreira. Licenciada em teatro, escolheu o nome Rita Burmester para figurar como escritora, dramaturga, atriz e encenadora. Desde então tem vindo a colaborar com diversas companhias, mas foi na ATE que mais desenvolveu o seu trabalho como atriz, uma vez que para além de a ter fundado em parceria, também produziu, fez gestão cultural e dava sempre uma ajuda em todas as funções necessárias. Foi então que nasceu Rita Moreira a produtora, antes já havia colaborado como produtora, mas assinava sempre como Rita Burmester. Para que deixasse de haver dúvidas na altura de atender um telefonema Rita passou a ser Rita Moreira a Produtora e desde lá tem estado em projetos de Cinema, Teatro e Artes Plásticas. Tem um currículo vasto em Serviço Educativo porque acha que a arte tem de estar presente desde a nossa tenra idade. Do Mestrado em Ciências da Comunicação ficaram sobretudo as saudades do estágio na Rádio Nova. Atualmente assina como Rita Burmester Moreira, a maior parte das vezes, mas aqui não. Para esclarecer melhor esta situação é sempre bom marcar um café, porque é o único momento de pausa. Sendo os momentos de pausa tão escassos ainda está em Aveiro a desenvolver um projeto de doutoramento em Estudo Culturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *