Categorias
Todas

O Vazio

Ela perdeu um amante e esse era o vazio mais difícil de preencher.

Margarida passou uma década a trabalhar. Não tinha marido, nem filhos e estava feliz com isso. Era sua ambição ter uma carreira. Estava decidida e nada a abalava. 

Não a abalou as vezes que lhe perguntaram porque não tinha filhos, nem mesmo as que lhe disseram “Vais-te arrepender se não os tiveres”. Nada de abalos por ouvir que não era madura o suficiente por não ser mãe, ou mesmo quando as perguntas eram: “E marido? Para quando?”. 

Tudo o que interessava a Margarida era a carreira. Então, de facto, era abalada quando não lhe davam o valor que merecia. Quando a ultrapassavam, ou se por acaso levavam os louros que lhe pertenciam. Aí sim, Margarida virava fera. Não era para menos. Tinha 26 anos, nunca reprovou um ano, fez licenciatura, mestrado, doutoramento, recebeu bolsas de mérito e passou todos os segundos da sua vida dedicados ao laboratório.

Pesquisou para aprender. Defendeu uma tese e uma outra pesquisa, defendeu ainda outra tese e uma nova pesquisa só não se soube defender. 

Durante uma carreira exemplar foi dando o seu trabalho, ideias, suor, lágrimas e até as suas alegrias em prol da ciência. Achava desde de muito nova que seria uma cientista reconhecida. Queria de facto ajudar o mundo com as suas descobertas. Certo, que queria uma carreira, mas também a queria com significado: ajudar o mundo. 

Aos 26 continuou de bolsa em bolsa desta vez por sistema, investigação em investigação. Sentia-se muito sozinha, porém, a certa altura, um colega de trabalho aproximou-se e passaram a partilhar os seus dias.

Dos dias, passaram a partilhar trabalho, ideias e sucessos. Tudo parecia perfeito. Uma dupla infalível, um casamento perfeito: dois cientistas em prol da ciência com carreiras em ascensão. 

A dado momento, e porque não eram só as carreiras que cresciam, também as partilhas aumentaram. Os dias de Margarida e Diogo passaram a ser mais do que trabalho, ainda que Margarida se mantivesse fiel a si mesma: nada de amor/ casamento e muito menos filhos. 

10 anos passaram num abrir e fechar de olhos. E aos 36 Margarida percebeu que Diogo desapareceu de um dia para outro, levando com ele os louros de todo um trabalho. 10 anos dos quais, 8 juntos, voaram com Diogo. 

Ela, com 36 anos, certa das suas decisões, certa de que faria tudo de novo estava num buraco do qual não via fundo. É claro que não faltaram dedos a apontar: tivesses filhos estarias feliz, estás velha para arranjar marido agora, coitada da triste Margarida que escolheu ser infeliz a ter família. 

Enganam-se as más línguas. Margarida estava sim no meio do vazio, porque perdeu 10 anos, trabalho, embora não de conhecimento, um amigo, ou pelo menos assim compreendia e um amante. Sentia-se pior ainda porque era o vazio do amante que mais difícil estava de preencher. 

Por Rita Burmester

é o nome artístico de Rita. Sendo que o nome registado é Rita, muitos nomes entretanto, Moreira. Licenciada em teatro, escolheu o nome Rita Burmester para figurar como escritora, dramaturga, atriz e encenadora. Desde então tem vindo a colaborar com diversas companhias, mas foi na ATE que mais desenvolveu o seu trabalho como atriz, uma vez que para além de a ter fundado em parceria, também produziu, fez gestão cultural e dava sempre uma ajuda em todas as funções necessárias. Foi então que nasceu Rita Moreira a produtora, antes já havia colaborado como produtora, mas assinava sempre como Rita Burmester. Para que deixasse de haver dúvidas na altura de atender um telefonema Rita passou a ser Rita Moreira a Produtora e desde lá tem estado em projetos de Cinema, Teatro e Artes Plásticas. Tem um currículo vasto em Serviço Educativo porque acha que a arte tem de estar presente desde a nossa tenra idade. Do Mestrado em Ciências da Comunicação ficaram sobretudo as saudades do estágio na Rádio Nova. Atualmente assina como Rita Burmester Moreira, a maior parte das vezes, mas aqui não. Para esclarecer melhor esta situação é sempre bom marcar um café, porque é o único momento de pausa. Sendo os momentos de pausa tão escassos ainda está em Aveiro a desenvolver um projeto de doutoramento em Estudo Culturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *