Categorias
Crónica

Nome Próprio

O que há em mim é sobretudo cansaço —

Não disto nem daquilo,

Nem sequer de tudo ou de nada:

Cansaço assim mesmo, ele mesmo,

Cansaço.

Álvaro de Campos 

O meu nome é Cansaço, apenas e só Cansaço. Há quem tenha mais de um nome, porque agregado ao nome próprio segue os de família, da mãe e do pai. No meu caso, sou apenas Cansaço. 

Órfão de pai e mãe, conheço-me por cansaço, não sei portanto as minhas origens. Não posso dizer de quem ou de que derivo, em mim há apenas Cansaço. Como será possível que haja quem vá ao século, sei lá bem qual, por certo um bem lá trás para saber quem é? Como possível será que se precise de justificar o próprio nome com o nome de outrem, ou ações de outrem, como se eu fosse fruto de apenas o que outros fazem, ou fizeram. Mais ainda, quando se trata de ações tão longínquas! 

Há pois quem justifique a sua miséria pela miséria do nome, ou do sangue que lhes corre nas veias, quando se Cansaço há é por uma corrida própria. E está a contar, como num táxi que vai no seu caminho e enquanto não pára segue e soma. Se se cansa ou não depende do gosto. 

Há ainda quem não tendo justificações para apresentar queira encontrá-las, à força, no nome, apelido nem que para isso vá ao fundo do baú e apanhe uns pós que o fazem espirrar ao ponto de um espirro ter outra justificação a do nome comum. 

Há quem prefira inverter a ordem e nunca se quer mencionar o nome próprio, será vergonha? Será falta de identidade ou excesso dela? Será que representa uma personagem tipo? 

Eu, sou do tipo que tem nome, o primeiro e próprio: Cansaço. Sem justificações, nem pretensões, com apenas um custo: a minha própria corrida. 

Por Rita Burmester

é o nome artístico de Rita. Sendo que o nome registado é Rita, muitos nomes entretanto, Moreira. Licenciada em teatro, escolheu o nome Rita Burmester para figurar como escritora, dramaturga, atriz e encenadora. Desde então tem vindo a colaborar com diversas companhias, mas foi na ATE que mais desenvolveu o seu trabalho como atriz, uma vez que para além de a ter fundado em parceria, também produziu, fez gestão cultural e dava sempre uma ajuda em todas as funções necessárias. Foi então que nasceu Rita Moreira a produtora, antes já havia colaborado como produtora, mas assinava sempre como Rita Burmester. Para que deixasse de haver dúvidas na altura de atender um telefonema Rita passou a ser Rita Moreira a Produtora e desde lá tem estado em projetos de Cinema, Teatro e Artes Plásticas. Tem um currículo vasto em Serviço Educativo porque acha que a arte tem de estar presente desde a nossa tenra idade. Do Mestrado em Ciências da Comunicação ficaram sobretudo as saudades do estágio na Rádio Nova. Atualmente assina como Rita Burmester Moreira, a maior parte das vezes, mas aqui não. Para esclarecer melhor esta situação é sempre bom marcar um café, porque é o único momento de pausa. Sendo os momentos de pausa tão escassos ainda está em Aveiro a desenvolver um projeto de doutoramento em Estudo Culturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *